Criado para durar

CICLO DE VIDA DE UM VOLVO

Sabemos o impacto que os automóveis têm no planeta, por isso lutamos continuamente no sentido de obter um conhecimento mais aprofundado do ambiente, desenvolvendo e construindo veículos mais limpos que durem mais tempo. Porque atualmente acreditamos que não é suficiente simplesmente construir automóveis que o protejam a si e aos seus passageiros. Temos de construir automóveis capazes de proteger o mundo que nos rodeia.

Quando revelámos o concept car Light Component Project em 1983, a Volvo Cars era já conhecida como um fabricante automóvel apostado em soluções inovadoras e amigas do ambiente. Tal devia-se essencialmente à invenção da sonda Lambda para o conversor catalítico sete anos antes. A sonda Lambda constituiu um marco em termos ambientais. Ao converter os gases de escape quentes em substâncias inofensivas já presentes no ar, reduziu a emissão de poluentes nocivos nuns impressionantes 90% comparativamente aos motores tradicionais. Mas os nossos esforços para construir automóveis amigos do ambiente de uma forma mais sustentável tinham, na verdade, já começado várias décadas antes. 

Uma vida com a Volvo

Assista ao nosso encontro com o entusiasta Volvo Peter Brobäck, enquanto levamos o seu Volvo 142 '73 para um passeio.

 

Reduzir, reutilizar, reciclar

Em 1945, estabelecemos um sistema de troca de peças de substituição recondicionadas. Atualmente, este sistema de troca está mais sólido do que nunca, incluindo agora desde caixas de velocidades e injetores, até componentes eletrónicos – tudo cuidadosamente reposto nas suas especificações originais. Mas porquê aplicar tempo e esforço no recondicionamento de peças usadas, quando os métodos de produção modernos nos permitem produzir uma peça nova em folha em menos de nada? Bem, é que uma peça recondicionada requer menos 85% de matéria prima e 80% menos energia comparada com uma peça nova. Pode assim poupar-se cerca de 300 toneladas de alumínio e 800 toneladas de aço por ano, o equivalente a reduzir aproximadamente 4000 toneladas de emissões de CO2. Acreditamos que vale bem o esforço.

Como tal, com um sistema de troca eficaz de peças recondicionadas já em marcha, bem como um revolucionário conversor catalítico sob os nossos cintos, um automóvel concebido para ser mais suave com o ambiente deveria ser visto como uma evolução natural, em vez de uma curiosidade bizarra. O projeto LCP tinha como objetivo fazer uso dos mais recentes materiais e tecnologia para criar um automóvel amigo do ambiente virado para o futuro, extremamente eficiente em termos de combustível, muito seguro e que estivesse pronto a utilizar no ano 2000 – daí o seu nome. Segundos os padrões atuais, estas metas parecem provavelmente razoáveis e realistas, mas em 1979 afiguravam-se uma combinação quase irreal.

Construído para durar

No desenvolvimento do veículo foram amplamente usados diferentes tipos de plástico, magnésio e alumínio ao nível do design. Estes materiais foram escolhidos não só por serem leves, mas porque estavam facilmente à disposição e, mais importante, eram recicláveis. Este era um automóvel construído para durar – pelo menos de uma forma ou outra. Uma outra característica futurística do LCP 2000 era a sua capacidade de operar com qualquer óleo combustível, por ex. óleo de colza. Mas um automóvel que cheirava levemente a fritos enquanto passava não era para o gosto de qualquer um.

O LCP 2000 encontra-se agora orgulhosamente exposto no Museu Volvo. Ainda assim, o projeto continua a inspirar a forma como construímos os nossos automóveis com sustentabilidade e o ambiente em mente. Atualmente, os metais, óleos, fluidos, a borracha e certos plásticos correspondentes a pelo menos 95% do peso de um Volvo podem ser recuperados, enquanto 85% pode ser reciclado. A estratégia ambiental da Volvo Cars passa agora pelo impacto ambiental do veículo ao longo de todo o seu ciclo de vida – desde o desenvolvimento, utilização e serviço, até à reciclagem quando o veículo é desmantelado e o ciclo tem novamente início. 

Uma questão de sustentabilidade

DESEMPENHO DO CICLO DE VIDA